Acontecendo...

The emergence of Brazil as a Global Player

Tive a satisfação de participar de um Seminário Internacional intitulado “The Emergence of Brazil as a Global Player”, organizado pela Universidade Hebraica de Jerusalém, Israel.
O seminário aconteceu entre 11 e 13 de dezembro, e o seu propósito era marcar a instalação de um núcleo de estudos brasileiros na Universidade. Interessante que esse será o primeiro programa sobre o Brasil em todo o Oriente Médio, e a organização do evento conseguiu trazer um time muito representativo do debate sobre ciências sociais no país.
A organização do evento foi comandada por James Green, professor da Brown University e professor visitante da Universidade Hebraica. Green é um brasilianista emérito e um grande amigo do Brasil.


Participaram do evento os professores Renato Lessa (Universidade Federal Fluminense), Tullo Vigevani (Universidade Estadual Paulista), Míriam Gomes Saraiva (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), Luis Edmundo de Souza Soares (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro), Murilo Meihy (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), Michel Gherman (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Peter Fry (Universidade Federal do Rio de Janeiro)m Dora Mourão e Eugênio Bucci (Universidade de São Paulo), e eu mesmo. A esse time se juntou uma equipe destacada de especialistas israelenses.
O propósito do Seminário era o de oferecer um painel geral sobre a realidade política, econômica e social do Brasil, além do estado de algumas questões particularmente importantes, como a política externa, a questão do Oriente Médio e a comunidade judaica brasileira.
A minha conferência, na abertura do evento, foi uma apresentação geral da política externa brasileira ao longo dos últimos vinte anos, à qual dei o título de “O Brasil e a grande transformação”. Com isso, apresentei a evolução da política e da economia internacional após o fim da Guerra Fria, e como condicionou a inserção internacional do Brasil. A isso, se soma a transformação das condições políticas (com a consolidação das instituições democráticas) e econômicas internas. E, finalmente, os ajustes que decorrem dessas duas grandes tranformações, na política externa, na síntese de um novo modelo de inserção internacional.
Desejo sorte e sucesso aos colegas da Universidade Hebraica de Jerusalém no desenvolvimento do seu programa de estudos sobre o Brasil.

Padrão

Deixe uma resposta